É de senso comum que todo crente acredita firmemente de que seus filhos podem desviar ao entrar na faculdade, por meio deste texto quero ampliar a visão para apontar um problema muito maior que a faculdade, um problema que independe de local, o problema que precisa ser sondado de tempo em tempo e se está pensando naquele do qual o bíblia diz que “dele procedem as fontes da vida”(Provérbios 4:23), sim, estou falando do coração.

As indagações e questionamentos sobre a criação do mundo, a fé, as inúmeras falhas da igreja ao longo do tempo, não deve ser um motivo para se acanhar ou abandonar a fé, mas sim um motivo para pedir conhecimento e sabedoria (Tiago 1:5), não é motivo de vergonha não saber responder sobre algo ou nem ao menos conseguir dialogar, vergonha é conhecer seu estado de ignorância e permanecer n’Ele.

Os convites para festas e bebedeiras não devem ser motivos para retroceder e deixar ser dominado para estas coisas, e também não se trata de negar alegando de que “crente não faz isso”, mas de realmente pensar “não tenho prazer nisso”, ao pensar em “não devo fazer” coloco obstáculos na caminhada da fé.

Quando jovens entram na faculdade são inundados por uma massa de conhecimentos e num primeiro instante, sem perceber, suas prioridades acabam sendo invertidas, são capazes de passar cinco horas estudando sobre as matérias, mas pouco a pouco a leitura das escrituras e oração vão existindo cada vez menos, até se tornarem momentos únicos e exclusivos dos domingos junto com a igreja, pelo menos enquanto ainda vão.

Ainda sobre o parágrafo acima, jovens na faculdade tendem a tornarem-se gananciosos em busca do sucesso que veem na vida dos palestrantes e professores que assistem, ficam doentes de tanto estudar, ficam “bitolados” com o pensamento de ter e se esquecem que antes de ter, existe o “ser” e são filhos do Deus que provê o que é necessário para nossa sobrevivência, cuida das aves e até dos lírios do campo (Mateus 6:25-34).

Depois de passar por estes pontos importantes, digo que a faculdade por si só não é o suficiente para que o jovem se torne um “desviado”, mas talvez a faculdade evidencie e ofereça ao jovem o que seu coração hedonista sempre quis e isso faz seus olhos brilharem: alcançar um aparente sucesso, ser conhecido, festas e bebidas; elementos atrativos para uma pessoa não regenerada.

Antes de desviar-se publicamente, desviou no coração e o tempo apenas tornou público a podridão do coração humano, pois acredite, não é só a faculdade que “desvia” os crentes, muitos também abandonam a fé quando alcançam o sonhado empregou, conseguem namorar aquela pessoa que sempre sonharam ou quaisquer outras bênçãos, tornando-se escravo daquilo que idolatra, aquilo que outrora foi feito para abençoa-lo.

A faculdade potencializa o que estava durante muito tempo guardado no sótão do meu coração, aquele lugar onde eu escondo meus piores desejos e anseios, o lugar que precisa do lavar regenerador do Espírito Santo (Tito 3:4-6). Mais importante do que conhecer Cristo, é permanecer n’Ele.

Jovem, eu e você precisamos entender que Davi e Saul foram reis de Israel, chegaram ao topo, mas isso não significa que ambos tiveram o favor de Deus para isso, Deus será glorificado em sua vida absurdamente comum com filhos, uma esposa e um emprego, mesmo que você não viaje o mundo todo, que o alvo de sua vida não seja colecionar títulos e vitórias para uma estante de autopromoção, mas que seja para que a cada etapa e conquista seja notado o favor de Deus em sua vida.

Dia e noite devemos sondar nossos corações, molda-nos Senhor para viver em Ti e para Ti somente, pois como diz Agostinho:

“Sem Deus eu sou apenas um guia para a minha própria destruição.”

E por fim, não ouse fazer uma separação de vida “secular” e vida cristã:

“Para um homem que vive para Deus nada é secular, tudo é sagrado.”

(C.H. Spurgeon)

 

Bless the Lord, all my soul! Toda minha ‘alma bendiga ao Senhor.