Conselho a jovens escritores

Amados, transcrevo a seguir na íntegra uma carta enviada pelo Dr. D. M. Lloyd-Jones, o grande teólogo galês, conhecido por sua pregação expositiva e apaixonante, aos 17 de janeiro de 1953, ao Sr. O. Raymond Johnston (1927-1985), um dos graduados de Oxford responsáveis pelo início da Conferência Puritana. O Dr. D. M. Lloyd-Jones, teve um papel importante, aconselhando os jovens cuja descoberta dos puritanos lhes era causa de grande entusiasmo, para que contivessem e agissem com sabedoria. Grifo e dou ênfase em alguns pontos desta carta que considero lições essenciais, creio que esta missiva edificou o Sr. Raymond e edificará nossas vidas.

 

CONSELHO A JOVENS ESCRITORES

 

Mount Park Crescent, 39

Ealing, Londres W. 5

17 de janeiro de 1953

 

[Ao Sr. O. Raymond Johnston]

Caro Sr. Raymond Johnston.

 

Perdoe-me, por favor, esta demora em acusar o recebimento da sua muito amável carta do dia 06 deste, e em agradecer a sua gentileza em dar-me a conhecer as suas conversas sumamente interessantes em Swanwick. Naturalmente as confidenciais. São verdadeiramente muito valiosas. A reedição de Santidade (Holiness), de autoria de Ryle, parece ter conseguido realizar até mais do que eu previa.

Acho que você e o Sr. Packer estão realizando uma obra muito importante, que poderá muito bem ter grande influência no futuro. Mas vocês dois precisam aprender a “andar prudentemente” (Efésios 5:15). Quero dizer com isso que há o perigo de seu ensino ser rejeitado devido ao modo como ele é apresentado. Devemos ser pacientes e ensinar as pessoas de maneira construtiva. Escrevo como alguém que pessoalmente achou muito difícil aprender esta lição; porém, com o passar dos anos, fui vendo cada vez mais que a dificuldade do outro lado deve-se realmente à ignorância. Devemos aguardar, e penso que veremos que a extraordinária mudança que já ocorreu quanto aos conceitos sobre profecias, ocorrerão também com relação a esta outra questão.

Quanto à dificuldade de explicar os benefícios que Keswick e Ruanda acaso fazem, há pelo menos duas respostas:

1. Muitas vezes a heresia está certa em muitos pontos verdadeiramente essenciais, mas erra num ponto. Em termos modernos, isso é frequentemente ilustrado nos círculos pentecostais com relação à doutrina do Espírito Santo, línguas, curas, etc, enquanto que eles estão absolutamente certos e são ortodoxos nos pontos essenciais, e as pessoas recebem real benção por meio deles.

2. Os argumentos baseados em resultados e benefícios são sumamente perigosos. Todas as seitas prosperam baseadas nisso. Questionaria também, e muito, se Keswick dá realmente às pessoas uma verdadeira consciência dá pecado. Penso que é neste ponto que ele de fato falha mais.

Realmente você precisa voltar a Londres, para que possamos conversar sobre estas coisas, em vez de escrevermos sobre elas.

Todos nós nos juntamos na expressão da nossa mais favorável estima e consideração.

Sinceramente ao seu dispor,

D. M. Lloyd-Jones¹

 

¹ Dr. D. M. Lloyd-Jones. Letters 1919-1981. The Banner of Truth Trust, 1994.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *