A graça de Deus para a sua família

No sexto dia da criação Deus instituiu a família. A ordem era clara: tenham filhos, encham a terra e trabalhem! Colossenses 1.16 nos lembra que todas as coisas foram criadas para o Senhor. Um pouco mais a frente no livro de Gênesis, vemos a instituição do casamento entre homem e mulher. Tanto a família (pai, mãe, filhos) quanto o casamento (união entre o homem e a mulher) foram instituídos por Deus e tem como objetivo revelar mais de quem Ele é. Não é a toa que o Senhor Jesus nos ensina a chamar Deus de pai e Deus chama de filhos aqueles que foram salvos pelo seu Filho Jesus (João 1.12-13) e de família o povo que o adora e o ama (1 João 3.1-2). A Bíblia nos ensina que entre nós cristãos, somos todos irmãos e devemos nos tratar como tais (Gálatas 6.10). E através da analogia de marido e esposa (Efésios 5), Deus nos ensina o quão profundo é o relacionamento entre Cristo e a Igreja.

Uma família nada perfeita!

Você provavelmente já viu uma propaganda de margarina na TV. Uma família muito feliz. A mãe acordou bem cedo e prepara o café sorrindo, os filhos já levantaram, estão prontos para ir para escola, todos bem arrumados e felizes mesmo acordando cedo e o pai que chega pronto para ir ao trabalho, beijando os filhos e a esposa  e todos juntos em volta de uma mesa começando bem o dia. Quando eu era adolescente, eu demorava pelo menos uns 15 minutos para conseguir levantar da cama. Um dia sim e um não, ia até o quarto dos meus pais para acordar minha mãe e perguntar onde estava tal coisa. O comercial de margarina só acontecia em casa em feriados (e olha lá), depois das 9 horas da manhã. Mas, muitas vezes o dia começava um caos. Uma resposta atravessada, problemas financeiros, atitudes egoístas, uma briga entre irmãos. A verdade é que a família Qualy não existe.

Nós poderíamos culpar as novelas por disseminar o adultério e casamentos frágeis que são desfeitos por qualquer coisa ou ainda o governo por mudar as definições de família. Poderíamos achar diferentes culpados, mas nenhum deles seria o grande responsável pela destruição dos valores da família e do casamento. O grande culpado está em mim! Está em cada um de nós! É o culpado pela nossa separação de Deus! O culpado habita em mim e se chama pecado.

O pecado, quando entrou no mundo, veio destruindo a união do primeiro casal e fazendo com que acontecesse a primeira D.R. Infelizmente, a narrativa de Gênesis vem nos mostrando que o pecado gerou o ódio entre irmãos: a triste história de Abel e Caim, o primeiro homicídio. E ele não parou por aí. Ao longo de toda a Bíblia, nós vemos retratos de muitas famílias que foram machucadas pelo pecado. José foi traído pelos seus irmãos e vendido como escravo, Jacó enganou seu irmão Esaú, Davi cometeu adultério e isso gerou consequências sérias. Temos exemplos de família que acertaram, mas nenhuma família foi perfeita.

Talvez a nossa família não esteja passando por problemas tão graves, mas todas as famílias têm seus problemas. Sabe como sei disso? Porque onde há relacionamentos, há dificuldades. Por isso, é importante afirmar que o pecado não está apenas nos escândalos. Ele está no silêncio dos nossos pensamentos, nos sentimentos reprimidos, na indireta não compreendida. E há também situações que o pecado já está tão impregnado, que passamos a considera-las normal. E verdade seja dita os “pequenos” pecados se não tratados, ou se tornaram escândalos ou roubaram de nós a alegria de viver em família.

Mas o título deste artigo é: a graça de Deus para a sua família! Sim! A maravilhosa graça de Deus alcança as nossas famílias. Como mudar realidades que já estão tão devastadas pelo pecado? Como vencer um sentimento que destrói um relacionamento? Como mudar uma atitude que machuca não só a mim, mas as pessoas que estão na minha volta?

A esperança de Deus para a família: colocando Jesus no seu centro

  • Comunhão

Os livros de autoajuda vendem muito nos nossos tempos. Esses livros prometem métodos e formas comportamentais que se dizem chaves para o sucesso. Porém, quando nós olhamos para a sabedoria divina, vemos que não são métodos, mas comunhão. Se quisermos mudar nossos relacionamentos com o nosso próximo, primeiro precisamos estar em comunhão com Cristo. Devemos procurar conhecer qual é a vontade do Senhor para nós, porque só assim não viveremos nos guiando por aquilo que nós achamos que pode vir a dar certo.

Comunhão com Cristo é individual. Não acontece apenas nos domingos de culto à noite. Mas sim quando buscamos uma vida cheia do Espírito Santo em amor, adoração diária, conhecimento das Escrituras e obediência. De reconhecer as nossas atitudes erradas e buscar em Cristo mudanças para atitudes de acordo com o que Ele faria. A verdadeira comunhão com Deus muda a nossa vida radicalmente. Como diz o apóstolo Paulo, “agora já não sou mais eu que vive, mas Cristo vive em mim!”.

  • Compromisso

Fato é que a vida familiar tem potencial para nos tirar do sério. Se nossos alicerces estiverem instáveis, no primeiro tremor, a casa virá abaixo. Por isso, para que a graça de Deus alcance as nossas famílias precisamos ter um compromisso na nossa comunhão com Cristo.

Em Efésios 5.21 temos uma ordem para os nossos relacionamentos: “Sujeitem-se uns aos outros por temor a Cristo”. E isso começa nas nossas famílias. Porém, é mais fácil falar do que fazer. Por isso, precisamos de um compromisso real com Cristo. Porque o compromisso, ligado a comunhão, me ajuda a abrir mão das minhas vontades e colocar a do meu próximo em primeiro lugar.

Mas por que se sujeitar? Seja honesto comigo: você consegue mudar seu cônjuge? Não, você não consegue. Mas você pode deixar Cristo te transformar. E a transformação que Cristo começou em mim, pode ser espalhar e fazer com que a graça Dele atinja os que estão a minha volta.

Preciso ter comunhão com Deus para conhecer mais Dele e saber qual a sua vontade, gerando compromisso no meu relacionamento com Cristo deixando Ele mudar quem eu sou  e desenvolvendo a confiança de que Ele é o único capaz e com poder para transformar a minha família.

  • Confiança

Conta-se que um equilibrista uma vez propôs o desafio de atravessar de um penhasco para o outro através de uma corda. No final do desafio, todos ficaram admirados e o aplaudiram muito. O equilibrista lançou o segundo desafio: “Confiam que atravesso de um lado para o outro de olhos fechados?” A resposta era unânime, todos diziam confiar. Então, o equilibrista lança para o povo “Quem de vocês então subirá nas minhas costas para fazer esse trajeto? ”. O final da história nós já podemos imaginar: ninguém quis subir.

A verdade é que nós dizemos que confiamos, mas não temos coragem de subir nas costas do Criador da família. Experimentar e viver a graça de Deus na nossa vida e da nossa família exige confiar em Deus o nosso dia-a-dia. Exige abrir mão daquilo que eu acho melhor e deixar que o Senhor direcione para aquilo que é o melhor. Exige abrir mão da minha vontade e obedecer a Dele.

E como podemos aprender a confiar em Deus? Orando. A oração é uma arma poderosa que o Senhor Deus criou para nos mudar. A oração não muda quem Deus é ou aquilo que Ele irá fazer, mas ela muda quem eu sou. Sinceramente, esse é um grande desafio para mim. Sou uma pessoa proativa, que procura sempre ter as respostas e as atitudes corretas a se tomar. E muitas vezes, por mais bem intencionada que eu esteja, eu escolho o caminho errado porque não me coloquei para saber aquilo que Deus quer. Mas o Senhor promete que se orarmos, Ele responderá (Salmos 4:3), que se confessarmos, Ele nos perdoará (1 João 1.9) e se pedirmos conforme a sua vontade, Ele nos dará (Tiago 4.3).

Confiar é uma atitude que exige tudo de quem eu sou. Confiar não significa que vou entregar para Deus meu problema e viver ansiosa. Confiar não significa que vou deixar Deus agir, dando meus jeitinhos por fora. Confiar significa que vou orar, esperar o tempo do Senhor e a sua direção.

Um dia-a-dia de mudanças!

É verdade o que o pecado causou em nós e nas nossas famílias, mas é mais forte ainda o que Deus pode causar em nós. O sol nasce todos os dias para todos e isso é a graça comum de Deus para nós. Mas nem todos desfrutam as maiores bênçãos da graça de Deus: a paz e alegria que não tem fim. A nossa família pode ser transformada, mas primeiro nós  precisamos experimentar a comunhão com Deus, um compromisso real com Cristo e a confiança Nele. Em um mundo tão sujo pelo pecado, que nós possamos falar como Josué, que vivia dias nada diferentes dos nossos e ainda sim declarou:

Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas eu e a minha casa serviremos ao Senhor“. Josué 24:15

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *