Review – Desintoxicação sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual

Você não aguenta mais a pornografia?

É hora de se desintoxicar. Este livro apresenta um retorno à saúde, um retorno à normalidade.

Uma alta porcentagem de homens precisa se desintoxicar da pornografia, ou seja, recomeçar do zero do ponto de vista mora e psicológico. Seria o seu caso também? Se for, ainda que nem saiba disso, a pornografia distorceu seu senso de certo e errado e deformou seu entendimento e suas expectativas a respeito da sexualidade. Você precisa de um recomeço conduzido por Aquele que criou o sexo.

O livro Desintoxicação Sexual, faz parte de uma série de livros chamada Cruciforme que você pode adquirir pelo site das Edições Vida Nova, originalmente escrito em inglês e traduzido e disponibilizado pela editora.

A capa é bem sugestiva ao tema de intoxicação, quando vi, me recordou filmes de ficção científica como o clássico Resident Evil e duas séries da Netflix: Hélix e The Rain.

Possui 112 páginas com uma leitura agradável, sem linguagem técnica e direto ao ponto que ele propõe. É divido em seis capítulos, onde cada capítulo de forma cirúrgica esmiuça o assunto. Irei resumir cada capítulo com os pontos principais e marcantes.

A realidade

Foto por David Travis

Tim inicia seu livro, realiza uma comparação entre duas épocas: o início dos anos 90 e a atualidade. Traça uma relação de como era e é o modo de consumir pornografia.

Nos anos 90 era mais arriscado o consumo, porém, o mesmo existia. Era necessária uma “operação” com duas pessoas envolvidas: um jovem enrolando o dono da banca de revista e outro furtando uma revista masculina, para cometerem o ato.

Em contrapartida, hoje o problema se agravou absurdamente — estamos a uma distância de um clique para consumir livremente pornografia. A pornografia encontra-se praticamente em todos os lugares, pois vivemos em uma cultura afundada em uma visão de sexualidade totalmente deturpada.

O autor aponta que os pré-adolescentes estão sendo alvos do consumo pornográfico e a cada dia mais tem distorcido a beleza e pureza do sexo no matrimônio. A frase pontua bem esse ponto de vista.

A sexualidade de toda uma geração de crianças está sendo formada não por diálogos com os pais, não pela leitura do tipo de livro que ganhei na juventude, mas por profissionais da pornografia que farão qualquer coisa — qualquer coisa! — para saciar o desejo cada vez maior por uma depravação cada vez mais profunda.[1]

Também elucida outros pontos no primeiro capítulo, como a: preparação para desintoxicação, enxergar a pornografia como ela é, relembrar as promessas divinas em relação ao sexo.

Um dos ápices desse capítulo é a natureza da pornografia, segundo Challies, ela é zombeteira, violenta e gradativa.[2]

Zombeteira

Ela zomba da intenção de Deus em relação ao sexo, ou seja, todas as mensagens são opostas ao que Deus orientou o homem, por exemplo:

  • Deus afirma que o propósito do sexo é a construção da unidade entre o homem e a mulher no matrimônio. A pornografia diz que seu propósito e preencher qualquer necessidade sentida, com qualquer parceiro;
  • Deus afirma que o desejo sexual é bom quando controlado, mas a pornografia diz que o desejo não pode e não deve ser controlado, levando a libertinagem.

Violenta

Ela transforma nossa visão sobre o sexo, masculinidade e feminilidade. É violenta e intrinsecamente desamorada. Não existe amor mútuo, mas sim, um desejo incontrolável de satisfazer suas vontades sem se preocupar com o prazer do cônjuge. Ela é uma perversão da sexualidade, não uma versão legítima dela.

Gradativa

Como todo pecado, ele necessita ser alimentado para se satisfazer. A pornografia traz danos terríveis àquele que pratica tais atos. Raramente o nível de prazer que você tinha no descobrimento da pornografia é o que você tem hoje. Ela exige que você se aprofunde mais, buscando novas experiências para explorar o prazer a todo custo.

Pornografia vs Casamento

Foto por Petr Ovralov

No segundo capítulo é abordado o problema dramático da pornografia no contexto do casamento e nos deixa uma afirmação chocante e profunda:

Uma mente cheia de imagens pornográficas e com o coração repleto das abstrações e do caos das fantasias sexuais. Tendo visto, dezenas (centenas? milhares?) de atos sexuais em cenas pornográficas, ele despeja sobre a esposa a bagagem perversa das expectativas pornográficas. [3]

A pornografia dentro do casamento é um ato que foca no ego e não na união do casal, afetando seu relacionamento gerando um isolamento psicológico e criando um mundo de autogratificacão. Lendo esse capítulo, fica claro que a pornografia é um ato que desonra a Deus e o leito conjugal.

A projeção de uma cosmovisão totalmente devassa e deturpada é a tônica central dele.

Outro ponto importante é: casamento não é a solução para problemas de ordem sexual. Uma mente corrompida pela pornografia não irá se apaziguar após ao casamento, é bem provável ela se corromper mais, pois irá tentar projetar toda bagagem pornográfica no seu cônjuge, assim, desonrando-o.

Uma teologia da masturbação

Foto por Jamie Taylor

O capítulo é dedicado ao que o autor chama de Teologia da Masturbação, onde ele discorre e fundamenta o ato de se masturbar como pecado. Certos círculos de cristãos sinceros, tem dúvidas em relação ao ato, se moralmente é pecado ou não.

A Bíblia não nos deixa órfãos nesse quesito, ela fala de fato, em modo extenso e explícito acerca da sexualidade humana em sua totalidade — logo, ela não precisaria de falar em um ato específico.

Existem duas maneiras de olharmos a masturbação a luz das Escrituras como algo condenável, mesmo ela não a citando:[4]

  • A masturbação é extremamente comum hoje e quase está associada à cobiça sexual. Podemos seguramente concluir que essa era também a situação do mundo antigo. No sermão do monte, Jesus faz menção disso: “olhar com desejo para uma mulher já cometeu adultério com ela no coração” Mt 5:28;
  • Ela é imoral, da mesma forma que a Bíblia não fala diretamente ao aborto — ela menciona a valorização da vida humana e, por isso, podemos concluir que o aborto é pecado, devido à associação com o homicídio.
    Da mesma forma, a masturbação é ligada à cobiça sexual, originando o adultério, cobiça, prostituição e uma gama de outros pecados.

Outros pontos importantes que Tim aborta são as consequências da masturbação, as quais podemos pontuar, como:

  • Poluição da mente;
  • Culpabilidade;
  • Isolamento (físico e psicológico);

As três dádivas do sexo

Foto por Bridget Flohe

Chegamos no ponto do livro onde a cosmovisão sexual é restaurada aos moldes bíblicos.

Ao analisarmos a ordem da criação, percebemos que Deus criou macho e fêmea. Criando o homem do pó da terra, ele viveu um período sem uma companheira. Este período o autor pontua como o celibato de Adão, onde ele buscou em e com Deus uma companheira (Gn 2:18).

Adão em seu estado de perfeição, confiou na provisão de Deus e sem cometer nenhum pecado, aguardou a vontade de Deus. Quando Deus criou Eva e Adão a avistou, rompeu um cântico de louvor à obra do criador [4]:

E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada. [5]

Gênesis 2:23

Podemos absorver três bençãos relacionadas ao sexo:

  • O sexo conduz a uma obediência alegre;
  • O sexo fortalece a liderança do marido;
  • O sexo promove a verdadeira liberdade.

Frutificando assim um relacionamento saudável entre os cônjuges.

Desintoxicação no quarto

Foto por Goh Rhy Yan

O autor inicia um questionamento sobre o que seria fácil ter uma lista de coisas permitidas e proibidas em relação ao sexo, porém, a nossa liberdade pode ser o limite da impiedade de outra.

Muitas pessoas ficam com essa pergunta na cabeça sobre o que é permitido ou não mas, dentro do casamento, os cônjuges devem usufruir da liberdade que Deus deu a eles, para experimentarem e explorarem tal liberdade em um padrão bíblico.

A pergunta que se deve fazer é “Qual é o propósito do sexo? Qual sua intenção?”. Para o casal cristão sincero, essa forma de abordar a questão conduzirá a um conjunto de práticas mutuamente agradáveis e gratificantes e, ao mesmo tempo, inteiramente em consonância com as Escrituras.[6]

Pontos importantes que devem ser ditos, sobre o que o sexo não é:

  • Sexo não é o fundamental;
  • Sexo não é algo para ser experimentado de forma indireta;
  • O sexo não gira primordialmente em torno das pessoas;

O que o sexo é:

  • O sexo é terno;
  • O sexo é doce;
  • O sexo é desinteresado e doador;
  • O sexo tem limites.

Desintoxicação da sua alma

O último capítulo, mas não menos importante, trata de um assunto crucial: como desintoxicar sua alma do lixo que durante muito tempo tem consumido.

Tim dá uma série de dicas e frases de extremo valor para lutarmos contra a pornografia, eis algumas delas:

“[..] nunca vamos chegar a lugar algum no combate do pecado se não lutarmos. Temos de nos envolver na empreitada de mortificar o pecado.”

“[…] você precisa parar com a pornografia. E precisa parar de se masturbar. Agora mesmo. Neste instante. Não amanhã. Hoje.”

Tim, da seu testemunho pessoal de como conseguiu vencer e como Deus o ajudou, através de alguns textos das Escrituras onde ele se apegava em momentos de tentações e lutas contra o pecado.

O ponto mais chocante pra mim, foi quando ele diz que devemos olhar para as mulheres mais jovens como nossas irmãs. Isso foi um divisor de águas para mim desmistificando todo olhar que porventura fosse malicioso do meu coração.

Conclusão

O livro me ensinou bastante e estou digerindo o conteúdo ainda, porém, indico fortemente a você jovem que passa por tentações sexuais e não encontra uma saída para o problema. Nosso socorro sempre deve ser nosso Deus. Algo que ficou bastante nítido nesse livro é como a cosmovisão humana foi afetada pela depravação sexual e como somos contaminados todos os dias.

Vigiar e ter uma vida pura é o desafio do cristão em uma cultura embebida pela luxúria e prostituição e só conseguiremos vencer o pecado através de uma cosmovisão totalmente restaurada aos padrões bíblicos.

Por isso devemos resistir e suportar as tentações para resgatarmos pessoas aprisionadas nessas práticas.

Recomendaria este livro? Com a absoluta certeza! É uma chamada urgente para uma geração que está aprisionada aos vícios da imoralidade sexual, com esse pequeno livro podemos caminhar rumo a libertação e desfrutar da verdadeira sexualidade traçada na eternidade.

Título: Desintoxicação sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual
Autor: Tim Challies
Publicado: Editora Vida Nova

Referências bibliográficas

[1] CHALLIES, Tim. Desintoxicação Sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual. Tradução Marcia Medeiros. São Paulo: Vida Nova, 2011. p 17–18.

[2] CHALLIES, Tim. Desintoxicação Sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual. Tradução Marcia Medeiros. São Paulo: Vida Nova, 2011. p 23–25.

[3] CHALLIES, Tim. Desintoxicação Sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual. Tradução Marcia Medeiros. São Paulo: Vida Nova, 2011. p 30.

[4] CHALLIES, Tim. Desintoxicação Sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual. Tradução Marcia Medeiros. São Paulo: Vida Nova, 2011. p 50.

[5] Bíblia Almeida Corrigida Fiel. Disponível em: https://www.bibliaonline.com.br/acf/gn/2/23+ Acesso em: 19 de junho de 2018

[6] CHALLIES, Tim. Desintoxicação Sexual: um guia para homens que querem fugir da imoralidade sexual. Tradução Marcia Medeiros. São Paulo: Vida Nova, 2011. p 65.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *