A pia suja e o exercício da gratidão

Antes de nos debruçarmos sobre a pia, vale ressaltar que este não é um assunto restrito apenas às moças, certo, rapazes? Quero te incentivar a reconhecer que todos nós temos obrigações no lar. Então, se sujou, é hora de limpar, afinal, sua mãe – sua futura esposa também terá – possivelmente já tem muitas obrigações e cansaço acumulado, para ainda estar gastando energias com algo possível de ser dividido.

Agora, não é porque lavar louça e outras atividades domésticas são uma obrigação, se quisermos viver num ambiente minimamente saudável e organizado, que precisa ser um momento torturante, a ponto de se tornar um terreno fértil para as tão conhecidas murmurações. As Escrituras nos aconselham em Filipenses 2:14:

Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas;

Tudo bem, mas talvez neste instante você esteja se questionando: e onde mesmo posso enxergar prazer realizando tarefas desgastantes e repetitivas? É possível lavar a louça sem murmurar? Como fazer isso? E eu te respondo: olhando para o Senhor! Em todo o tempo devemos fazer como o salmista, perceber Deus como ele realmente é, o nosso Senhor e o nosso PROVEDOR:

A ti, que habitas nos céus, elevo os olhos! Como os olhos dos servos estão fitos nas mãos dos seus senhores, e os olhos da serva, na mão de sua senhora, assim os nossos olhos estão fitos no SENHOR, nosso Deus, até que se compadeça de nós. Salmos 123:1-2

O Senhor é compassivo e não tem deixado nada nos faltar. Se a pia está cheia, sua dispensa, sua geladeira, e seu estomagozinho também estão. E isto não aconteceu graças a força do seu braço, mas por causa do favor imerecido de nosso bondoso Deus. Porque Ele cuida de nós como ninguém jamais o fará!

 

ABANDONANDO AS DESCULPAS DE SEMPRE

É uma questão de mudança de foco. E nem adianta você tentar se justificar com um “ah, mas eu tenho muitos problemas… muito trabalho acumulado, estresse, e ninguém me entende”. Eu garanto que já fiz isso e não deu certo! Vamos dar nome aos bois, pois pecado deve ser chamado pelo nome. Do contrário, como o confessaremos e seremos livres dessa transgressão que nos atormenta, sem antes reconhecer que a praticamos?

Quando não admitimos nossa desobediência a Deus, nos tornamos pessoas mal-humoradas e ingratas, incapazes de louva-lo pelas pequenas graças do dia-a-dia e até mesmo, quando no auge da insensibilidade, nos acostumamos a fazer afirmações do tipo: eu tenho uma personalidade forte, você tem que me aceitar do jeito que sou, pois é meu jeito e não mudo para agradar a ninguém. E convenhamos, essa nossa “personalidade forte” só nos afasta de Deus, e nos torna em pedras de tropeço para o evangelho. Assim podemos confirmar nas Escrituras:

Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus. Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus, assim como também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos (I Coríntios 10:31-33).

            Então, o primeiro passo para que finalmente você consiga lavar a louça para glória de Deus e realizar outras tarefas que têm tirado você dos trilhos é arrepender-se e confessar ao Senhor os seus pecados. Ore também para que Deus produza em seu coração o fruto do Espírito Santo citado em Gálatas 5:22-23: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio.

 

MUDANDO OS MAUS HÁBITOS 

            É possível fazer do momento de lavar louça, um momento de lavar a alma, extravasar o estresse sem pecar, e ainda por cima, investir na comunhão com os membros da sua família. Depois daquele jantar maravilhoso (pelo qual vocês oraram juntos agradecendo a refeição), reúna a galera, divida as tarefas, conversem, riam juntos, brinquem, cantem, alegrem-se no Senhor.

 Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se!  Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor (Filipenses 4:4-5)

A vida cristã é uma caminhada de aprendizado, mas não sem metas a serem cumpridas e regras a serem seguidas, pois o próprio Deus nos deixou orientações de como deve ser a nossa corrida até a sua vinda. O apóstolo Paulo escreve aos coríntios:

Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar., mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desclassificado (I Coríntios 9:25-27).

Reflita: Será que vale a pena mesmo jogar aquela panela no chão? Xingar em alto volume para quem passe na rua contemplar nosso mal testemunho? Nós, servas e servos de Cristo, devemos em tudo procurar agradar ao nosso Senhor. Tomando ainda o exemplo do atleta, podemos aplicar a nossa vida que a confissão de pecados deve fazer parte de nossa rotina, assim como o treino busca aperfeiçoar a performance do competidor. Além do mais, a gratidão deve ser um exercício diário, até que sejamos capazes de enxergar em tudo a graça de Deus, inclusive numa pia suja!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *