Quando a morte chega

A morte não vem para um coração preparado.
Quando a morte chega, todos os seus planos se vão e, por um momento, toda sua vida fica suspensa. Demora algum tempo para que seus pés toquem o chão!
Ela traz junto de si, dores, lágrimas, solidão e uma nova página na sua história.
A morte não te deixa tempo pra dizer: “eu te amo” ou, “eu te perdoo”;
Na verdade, a morte vem nos mostrar onde somos fracos e onde temos força; faz-nos perceber o que realmente é importante em nossa vida.

“Melhor é ir à casa onde há luto do que ir a casa onde há banquete; porque naquela se vê o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.
Melhor é a mágoa do que o riso, porque a tristeza do rosto torna melhor o coração.
O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria.”
Eclesiastes 7:2-4

Quando a morte chega, traz consigo reflexão. Faz você pensar no legado que aquela pessoa está deixando e no legado que você quer deixar.
Por isso eu digo a você: Não espere a morte chegar para fazer ou dizer o que é importante a quem você ama! Não deixe a morte chegar para amar e perdoar! Não espere ter dinheiro, uma promoção no trabalho, momento de férias, para desfrutar de um tempo especial com sua família! Não espere grandes conquistas para fazer a diferença.
O grande legado que você pode deixar, não é alguma vez na vida você ter levado sua família na Disney, mas durante sua vida inteira, ter procurado estar ao lado deles, vivendo intensamente todos os momentos.

Não é o quanto que você ganhou que vai fazer diferença, mas o quanto você doou e mudou a vida de alguém.
Sua diferença não estará em inúmeras vezes, ter feito os julgamentos certos dos erros de outras pessoas, mas o quanto você foi misericordioso com os seus erros.
Não é quanto você foi honrado pelos homens, mas o quanto você vai ser honrado por Deus que comprova se teu legado realmente teve sucesso.

Há quatro anos, no dia 21/02/2014, toda minha família estava reunida em risos e abraços. Era minha formatura da faculdade! Um sonho realizado, de uma batalha de cinco anos. Naquele dia, eu e todos ali presentes, pensávamos na conquista e no meu futuro promissor!
Há três anos, no dia 21/02/2015, toda minha família estava reunida, dessa vez em choros e abraços! Era o velório de meu avô. Apesar de ele já estar em uma idade avançada, ninguém queria que ele partisse.
Ainda lembro-me dele no caixão. Enquanto lágrimas escorriam e eu via toda a dor da família, sentia que um alicerce tinha sido quebrado. Como seria dali em diante? Ninguém conseguia pensar no amanhã, somente na dor do momento. Olhando para ele no caixão, eu podia ver todo o legado que ele estava deixando, toda experiência de vida, toda bondade e amor – como é maravilhoso poder dizer: Ele era um homem de Deus! Meu avô com certeza foi um exemplo. Sei que muitos não podem dizer isso.

Quando ele se foi, descobrimos que seu legado deveria ser uma motivação para sermos melhores, seguindo seu exemplo. Possuir o caráter de Cristo moldado em nós, assim como ele tinha. Também descobrimos que o alicerce na verdade não quebrou, pois o legado dele continua sendo um alicerce para nossa família.
Apesar da dor e da falta que ele nos faz, o Espirito Santo nos consola e nos encoraja a buscarmos mais a Cristo para um dia podermos nos encontrar nas alturas, onde morte e choro jamais haverá.

Tudo nessa vida passa! A dor e as lágrimas acabam, mesmo que às vezes algumas cicatrizes fiquem. Mas as palavras de Cristo jamais irão passar, e Ele nos deu a esperança de nos encontrarmos um dia. Que promessa gloriosa!

Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar.
E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também
João 14:1-3

Outra lição preciosa que aprendi nisso tudo, é que não devo deixar o medo do futuro e as preocupações da vida me impedirem de desfrutar do presente momento, onde se encontram aqueles que eu amo. No momento de dor diante do caixão, não gostaríamos de pensar no amanhã, em como seria daquele momento em diante. E mesmo quando saímos dali, fomos vivendo um dia de cada vez, enquanto a dor ia diminuindo.

Essa é a maior lição, viva um dia de cada vez. Com certeza, não com irresponsabilidade, como se não viesse o amanhã, mas confiando que Cristo está na nossa frente, medindo a profundidade das águas, certificando que conseguimos ir mais a frente. Mesmo que cheguemos as águas mais profundas onde “não da pé”, podemos descansar pois Deus que vai nos segurar pela mão.

Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal. Mateus 6:34

No amor de Cristo

Juliane M M Ribeiro

Um comentário Adicione o seu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *