O cristão e sua ignorância literária

E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas , as quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em Cristo Jesus.
2 Timóteo 3:15

Ao aprofundarmos nossa leitura nas Escrituras e contexto cultural do Novo Testamento deparamos com um fator interessante a educação. O sistema educacional israelita era baseado inteiramente na Torah e no Talmud, por consequência, um conhecimento preliminar todo judeu tinha, os que gostariam de aprofundar e se destacavam eram escolhidos para entrar nas escolas rabínicas para compreender os mistérios da Torah.

O processo de alfabetização baseava-se nas Escrituras, ou seja, desde pequenos começavam o Alef-Beit (alfabeto) estudando as Escrituras. Nós latinos-americanos, num contexto bem diverso, somos educados de modo secular com obras literárias e estórias, anedotas e lendas.

Particularmente o Brasil, tem altos indíces de pessoas com algo conhecido como: analfabetismo funcional, esse fenômeno linguistico-cultural se dá pelo fato do baixo investimento a educação e incentivo a leitura. Por definição, analfabetismo funcional é:

É a incapacidade que uma pessoa demonstra ao não compreender textos simples. Tais pessoas, mesmo capacitadas a decodificar minimamente as letras, geralmente frases, sentenças, textos curtos e os números, não desenvolvem habilidade de interpretação de textos. Também é definido como analfabeto funcional o indivíduo maior de quinze anos possuidor de escolaridade inferior a quatro anos letivos.

Cerca de 20,3% da população brasileira sofre desse fenômeno educacional. O censo 2010 mostrou que um entre cinco pessoas (20,3%) são analfabetas funcionais. O problema maior está na região Nordeste, onde a taxa de analfabetismo funcional chega a 30,8%.

Como o analfabetismo funcional afeta a igreja

Com o problema apresentado anteriormente, o analfabetismo funcional, constata-se que dentro do ambiente religioso existe uma grande falta de compreensão dos temas bíblicos e seus textos.

Esse fenômeno ocorre devido a nossa falta de interesse nas Escrituras e literaturas complementares como: dicionários bíblicos, comentários, livros, suplementação arqueológica.

Me impressiona cristãos que simplesmente não gostam de ler, fica uma pergunta no ar:

Como se dizer cristão e não gostar de ler, sendo que, nossa regra de fé se baseia num livro

Chega a ser uma desonestidade intelectual, afirmar isso. Assustadoramente há uma grande quantidade de “líderes” sem preparo e conhecimento das Escrituras.

O problema se agrava quando novos convertidos com dúvidas sinceras querem tirá-las e os líderes usam de suas experiências que supostamente são provindas de Deus para explicar conceitos que são bíblicos, um erro fatal, podemos levar essas pessoas a caminhos bem tortuosos.

Um exemplo prático disso, pergunte algum adolescente ou jovem de nossas igrejas o que é: graça, redenção, justificação, santificação ou batismo. E vamos constatar que o índice de desconhecimento bíblico é enorme.

Ondas de fé

Muitos jovens vivem em o que eu chamo de ondas de fé, estão sempre em busca de algo novo, como: mover espiritual, grupos de louvores interdenominacionais sem o auxílio da igreja local.

O grande problema sobre isso é a falta de fundamentação bíblica, senão há doutrina fundamentada existe desvio das verdades bíblicas, logo uma heresia aponta logo ali.

Além desse fato, vivem uma fé sem bases morais/éticas indo a deriva como um barco ao alto mar. Qualquer alimento que venha de “Deus” está bom, pois a capacidade de racionalização da fé é quase nula.

Para tratar esse problema a teologia é a solução, parafraseando Chesterton:

A teologia é a parte da fé que nos faz pensar.

Nossa fé deve ser racionalizada, não devemos ir aos embalos de um sábado a noite, temos que reter o que é bom. Cristo não nos salvou para nos tornamos pessoas burras, mas sim sábias.

A falta de tempo

Um outro fator que ajudar o analfabetismo bíblico é a falta de tempo, ou pelo menos a mentira que contamos para nós mesmos. John Piper um pastor norte americano, comenta magistralmente esse fator:

 Um dos grandes usos do Twitter e do Facebook será provar no último dia que a oração não era da falta de tempo. — John Piper

Aparentemente temos tempo de sobra para as futilidades e banalidades da internet, mas quando o assunto é estudo bíblico chega a ser lamentável. Gastamos um tempo que não temos, pois, as Escrituras nos afirmam:

Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios,
Remindo o tempo; porquanto os dias são maus.
Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor.
Ef 5: 15–17

Devemos aproveitar nosso tempo com coisas que edificam e fortalecem nossa fé, afinal se não fizermos isso seremos como os descrentes.

Inundação de informação

Somos bombardeados a cada segundo na Internet ou em qualquer veículo de mídia com as informações, com isso, temos um fenômeno onde não conseguimos filtrar as informações de maneira sensata e coerente. Além de filtrar, o senso crítico vem se perdendo, vivemos num tempo onde relativismos povoam as esferas sociais e digitais, mas ao mesmo tempo um certo absolutismo de ideias e opiniões, ou melhor dizendo, uma polarização de ideias.

Fatalmente isto tem acontecido dentro das igrejas, nunca se viu uma geração tão analfabeta biblicamente, mas o curioso é: sabemos todos os shows do mês, os cantores, as tendências da moda e o hit do momento, temos todas as redes sociais e interagimos nelas.

Você já parou para pensar se precisa mesmo ter Twitter, Facebook, Instagram, Snapchat, Periscope e outras redes sociais? Qual é o objetivo delas em sua vida?

E nosso tempo de leitura durante a semana é quase nulo, vamos na expectativa de ouvir a palavra no culto. Mas, para nossa supresa ouvimos rotineiramente:

A palavra vai ser breve“,
Não vou tomar muito seu tempo“,

As Escrituras perderam o valor principal no culto, a melhor parte não é o louvor, mas a exposição da Palavra momento no qual Deus fala com seu povo, entretanto os jovens não parecem se importar, afinal já tem outras atividades depois do culto e com isso, vão se tornando analfabetos cada dia mais.

Sola Scriptura

Devemos voltar com urgência e arrepender da nossa negligência com a Palavra de Deus e seu estudo, afinal Jesus te salvou para te libertar da escravidão do pecado e ser de fato livre.

Tempo é de retirar modismos e artifícios do culto e retornar ao caminho milenar deixado pelos pais da Igreja, analfabetismo e desconhecimento bíblico são sanados através da leitura.

Não há escapatória se você é um discípulo verdadeiro de Cristo és fadado a ler.

Que nosso analfabetismo bíblico se converte em erudição e possamos ser a resposta para uma geração totalmente perdida em si.

Sejamos como Timóteo, apesar da sua pouca idade já era conhecedor das sagradas letras e as praticava.

Um comentário Adicione o seu
  1. Muito edificante e atual. Parabéns. Que Deus continue te abençoando.
    Só uma pequena correção no penúltimo parágrafo: “que nosso analfabetismo bíblico se converta”.
    Uma opinião: não creio em parte mais importante e menos importante do culto. O culto deve ser um conjunto que flui para um só objetivo: glorificar a Deus. A palavra é central, mas o louvor não está em segundo plano no culto. O louvor é uma parte do todo, o todo é o mais importante.
    No amor de Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *