Bicicleta com Rodinhas

Quando pequeno, ao andar de bicicleta, meu pai sempre dizia: “se vier algum veículo, ou você vai para o passeio ou para perto de mim”, e esse conselho sempre me acompanhou, Certa vez andando de bicicleta, uma moto apontou na esquina, a uns 5 metros de onde eu estava, e meu pai que estava ao portão, encontrava-se a cerca de 30 metros (mais parecia 1km naquela época) de mim. Lembro que abaixei minha cabeça, e mesmo ele estando mais distante e o motoqueiro também indo na mesma direção em que ele se encontrava, fui correndo para meu pai. Queria muito poder falar que essa história tem um final feliz, porém, não – bati de lado com a moto.

Sempre me perguntei sobre o porquê de ir ao meu pai, sendo que o mais lógico para essa ocasião era ir rente a calçada, bom pelo menos esse é o meu pensamento hoje, quando criança, eu não procurei o mais “lógico” procurei o que achava mais seguro, que era nos braços de meu pai.

O que eu quero dizer é que sempre procuramos naquilo em que colocamos nossa confiança, proteção, e na maioria das vezes, o mais insensato. Hoje nossa busca se resume ao mais fácil, procuramos proteção naquilo que é efêmero, em coisas que se vão sem que a gente perceba, justamente coisas nas quais não deveríamos nos apoiar. De fato, procurar o meu pai era o mais difícil a ser feito, porém era o mais seguro, porque, por mais que eu estava longe, era ele quem poderia me amparar, caso algo ocorresse – e foi o que aconteceu, mesmo depois ter ficado um bom tempo sem andar de bicicleta.

Assim também devemos ser com relação a Deus. Buscá-lo em meio à angústia, aflição, sempre será o mais difícil, pois além das coisas do mundo nos oferecer “auxílio” de imediato e aos nossos olhos, também deveremos fazer esforços e deixar várias coisas para trás, como o ego, a insegurança, os medos e a falta de fé, largar, em resumo, os ídolos do nosso coração.

Alcançar o amparo em Deus, de longe será o mais dispendioso para o nosso eu, mas como disse o salmista:

“O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador; o meu Deus é o meu rochedo, em quem me refúgio. Ele é o meu escudo e o poder que me salva, a minha torre alta. ” (Sl 18:2)

 O Senhor é o único em quem podemos encontrar verdadeiro refúgio, Ele é o único lugar em quem devemos depositar nossa segurança, pois Ele é o único que, mesmo se cairmos, poderá nos levantar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *