O ouvir atento

“Pai eu te agradeço porque me ouviste.”

      Antes de ler o texto, é bom que leitor saiba, que ele não foi escrito por um gigante da oração especialista sobre o assunto, mas, sim, por um leigo.

Se nos colocarmos diante da vastidão do oceano e quisermos adentrar mar à dentro numa viagem, não podemos seguir em todas as direções ao mesmo tempo; temos de escolher uma direção certa, e seguir por ela. A oração é como essa vastidão, e como eu não pretendo abranger todos seus aspectos, vou “escolher uma direção certa, e seguir por ela”, a saber, o fato de que nossas orações são ouvidas. C. S. Lewis fez essa observação notável: “Nossas orações são ouvidas, não apenas antes de orarmos, mas, antes da fundação do mundo.” Deus tem, não todo tempo mundo para nos ouvir, mas toda a eternidade. A eternidade não se situa no tempo, nem significa tempo infinito, mas, sim, a ausência do Tempo. De forma que Deus tem a eternidade para nos ouvir.

Numa certa noite de primavera quando eu estava na faculdade, aconteceu de eu estar conversando com alguns amigos não cristãos; uma conversação normal. De repente, um deles perguntou: “Porque as pessoas oram?”. Para “serem ouvidas”, eu respondi. Outra menina perguntou: “E elas são ouvidas?”. “Sim!”, eu disse. Talvez, mais do que qualquer estratégia ou esquematização da oração, nós ansiamos por ser ouvidos. A boa notícia sobre esse desejo (que com certeza não é pragmatismo), é como Henri Nouwen afirma: “Jesus era todo ouvidos.”. Quando abrimos o coração em oração, encontramos com aquele Outro Coração completamente aberto. “A oração é o encontro da sede de Deus e da sede do homem”, escreveu Agostinho.

É bom ser ouvido. Quando nos encontramos com alguém que realmente nos escuta, ouvindo atenciosamente tudo que falamos, que está nos ouvido não somente com os ouvidos mas também com o coração, que busca ouvir até mesmo aquilo que não é dito e refletir o Cristo que é todo compaixão, podemos estar certos que realmente estamos num encontro com o Cristo que é ‘todo ouvidos’, na pessoa daquele irmão ou irmã. Vestidos de Cristo, nós temos o mesmo acesso a Deus que Jesus tinha. A sim, podemos orar juntos com ele, “Pai graças te dou porque me ouviste.”.

2 comentários Adicione o seu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *