Review – 1984

1984 é um livro escrito pelo autor George Orwell e trata de um futuro pós-apocalíptico onde
existe um governo autoritário, centralizador, onde tudo gira em torno da vontade do Grande
Irmão, que é representado por uma “mão invisível” dona do poder.

Esse tipo de história onde o mundo está em um caos e as pessoas estão sujeitas a uma
lavagem cerebral, seja econômica, política, religiosa chama-se distopia. Na distopia, as
pessoas estão cativas, escravizadas ao pensamento determinado pela autoridade máxima, que
nesse caso é o Grande Irmão. As pessoas vivem, trabalham, se relacionam de acordo com os
desejos do sistema constituído. Toda forma de pensamento destoante ao pensamento do
sistema é reacionário, perigoso. E toda ameaça deve ser eliminada, de acordo com a idéia de
todo poder totalitário.

Exemplos desse pensamento distópico proposto pelo autor está em manipulações da verdade
como a situação das três grandes potências: Eurásia, Oceânia e Lestásia. Nesse caso, toda
distopia se encontra na Oceânia e em uma parte do livro fala que ela está em guerra com a
Eurásia e esta sempre foi inimiga da Oceânia e a Lestásia sempre foi sua aliada. Após um
tempo, por motivações políticas, havia a manipulação desses fatos onde era imposto pelo
sistema que isso nunca foi verdade. Na verdade a Oceânia sempre foi aliada da Eurásia e sua
inimiga eterna sempre foi a Lestásia; para isso eram forjados os documentos onde
comprovavam que os fatos anteriores existiram. A verdade sempre foi aquilo que o partido quer
que seja verdade. Um exemplo desses fatos está registrado na página 47:

O partido dizia que a Oceânia jamais fora aliada da Eurásia. Ele, Winston Smith, sabia
que a Oceânia fora aliada da Eurásia não mais de quatro anos antes. Mas em que local
existia esse conhecimento? Apenas em sua própria consciência que, de todo modo, em breve seria aniquilada. E se todos os outros aceitassem a mentira imposta pelo Partido-
se todos os registros contassem a mesma história-, a mentira tornava-se história e virava verdade. ” Quem controla o passado controla o futuro; quem controla o presente
controla o passado” rezava o lema do partido.”

Outro aspecto de ideologias totalitárias é a necessidade de disseminar mentiras sobre os seus
opositores. Aqueles que discordam do partido e do Grande Irmão, como Goldstein, não são
inimigas do Partido, mas inimigas do Povo e por esse motivo, devem ser eliminadas. Não é
admitida idéias contrárias ao pensamento único imposto pelo partido, portanto é necessário
desqualificar essas idéias para que elas percam sua importância e com isso evitar idéias
reacionárias.

É uma obra de um conteúdo de dificuldade mediano, é necessário uma concentração por parte
do leitor para entender os conceitos citados no livro como “duplipensamento” e “novafala”. O
autor quer abordar temas como manipulação de idéias por um sistema dominante e fazer com
que o leitor tenha o senso crítico sobre a forma que enxergamos o mundo. Podemos confiar na
mídia? Podemos confiar em um partido político? Os conceitos que temos sobre verdade, amor,
liberdade são corretos? George Orwell nos leva a tentarmos discordar da nossa certeza e ter
um espírito investigativo para conseguirmos ter um espírito crítico. No fim, a pergunta que fica
solta no livro é: Há alguma forma de nos livrarmos da influência e do domínio do sistema? Ou
no fim iremos nos dobrar ao sistema e viver de acordo com sua vontade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *