Não Esqueça Quem Deus É

“Lembrai-vos disto, e considerai; trazei-o à memória, ó prevaricadores.
Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim.”
Isaías 46:8, 9.

 

Existem técnicas de memorização que ajudam pessoas a se lembrar de grandes textos para apresentações em empresas, como ajudam alunos a se lembrarem de muitas matérias para as provas; outros até ganham dinheiro em programas de televisão demonstrando a capacidade de armazenar grandes quantidades de informações com muita rapidez. Porém, existe um problema com essas técnicas, elas são usadas para memorizar seja o que for, só durante algum tempo, mas depois, as informações são esquecidas com muita facilidade. É algo só para o momento da prova, da apresentação ou do show na TV.

O Profeta Isaías, com certeza, foi alguém que se preocupou com memorização. Ele escreveu sua profecia entre 740 e 700 A.C, e seu propósito era o de acusar o povo de Judá por seu esquecimento de quem Deus era. Ele foi chamado para endurecer o coração rebelde do povo que se esqueceu da aliança que o Senhor havia feito. Isaías serviu de promotor de justiça perante Deus e não como advogado (cap. 6). Podemos dizer mais a respeito do livro em si: o Hebraico do livro é rebuscado e, talvez o mais importante é que Isaías recebeu o título de profeta messiânico. A despeito de tudo isso, não temos aqui palavras proferidas pela vontade de Isaías, mas pela vontade de Deus.

Já que o povo não se lembrava mais de Deus, coube a Ele mesmo dizer quem ele é. Ele disse a Abrão, ele disse a Moisés, e ao povo de Israel. E ele diz com um intuito: para evitar que nossa imaginação voe muito e se distancie dele. Então é melhor que ele diga quem é que deixar por nossa conta. Neste texto, ele apenas ordena que seu povo relembre do que já sabem. Parece que esta primeiríssima verdade – de que IAVÉ é Deus – estava perdida nas mentes dos desviados. Parece até uma ironia de Deus. Ele aborda seu povo e diz: Lembrem-se que Eu sou Deus! Essa lembrança, trazida as mentes frágeis, tinha uma razão, a saber, os séculos de desobediência em que o povo estava vivendo. Na verdade, Israel nunca fôra reto em seus caminhos, sempre foi propício a se desviar com facilidade. Lembrem-se das coisas passadas e lembrem que eu sou Deus! Que coisas passadas? Tudo que Deus fez por esse pequeno povo que agora era grande. Deuteronômio 32 é um bom resumo para a ação de Deus em relação a este povo tão pequeno e fraco. Todavia, devemos retroceder um pouco, desde a promessa feita a Abraão e avançar até os dias do próprio profeta Isaías.

Lembrem-se de tudo que foi feito na terra do Egito, dos livramentos no deserto, da entrega da Lei (que nenhum outro povo tinha), da conquista da terra e de milhares de outras maravilhas. Em seguida o Senhor completa: “… e não há outro Deus…”. Depois de lembrarem-se de que só ele é Deus, devem lembrar-se de que não existe outro. Mesmo que os povos vizinhos afirmem que possuem seus deuses, Israel deveria saber que era pura cegueira daqueles povos. Era muito complicado, Israel afirmar que só eles conheciam o Deus verdadeiro. Centenas de povos que estavam ao lado de Israel viviam ligados as suas religiões e, para eles, seus deuses eram tão bons e tão fortes quanto o Deus dos judeus. Porém, o Senhor diz: “Lembrem-se de que não existe outro!” O mundo, todos os habitantes da terra viviam enganados a respeito de suas divindades, só Israel estava certo. Apenas eles tinham relacionamento com o Deus que fez os céus e a terra.

Não era questão de henoteísmo nem comparação, mas de existência: “Não existe outro Deus”. Veja: Não é que não seja permitido adorar outro deus. O caso não é este. A razão definitiva é que não existe nenhum outro. O máximo que alguém pode fazer é inventar deuses, mas isso não garante que eles existam. Mas como esquecer-se de uma verdade revelada tão extraordinariamente? A resposta é: pelo pecado. Na verdade, pelo convívio com os demais povos e a apreensão de seus valores. É isto que Isaías vem expondo desde o início deste capítulo. Israel já não estava agindo como povo santo, mas de modo semelhante aos pagãos que adoravam ídolos. Eles se esqueceram de quem Deus era (Santo e zeloso) e, consequentemente de quem eles eram.

Literalmente, a última parte do versículo diz: “… Deus como eu, não existe”. Povos poderiam até se levantar e dizer: O Deus de vocês é poderoso, mas o nosso também é! Deus, pelo profeta Isaías, fala que não pode haver comparações. Qual deus é apegado ao seu povo como o Senhor é apegado a Israel? Josué diz antes de sua morte: “Mas ao Senhor, vosso Deus, vos apegareis…” (Js 23.8). Deus é apegado (colado por amor), ele ama seu povo e espera isso de seus filhos. Segundo Isaías, Deus como o Deus de Israel não existe. Nenhum deus fala, anda, protege, revela os seus propósitos ou manda profetas para ensinar seus caminhos. Nenhum deus, em toda história, pode ser comparado ao Deus de Israel. É blasfêmia comparar deuses que são carregados com um Deus que carrega seu povo. É idolatria inventar deuses que não são deuses. E o primeiro mandamento diz isso “Não terás outros deuses diante de mim”.

O Senhor Jesus, antes de subir aos céus, avisou que enviaria o Espírito Santo, o Consolador, aquele que ficaria ao lado de seu povo a fim de lembrá-lo de tudo a seu respeito. Minha mente e sua mente continuam frágeis, mas agora contam com a ajuda do Santo Espírito de Deus. Eu sei que esquecemos várias vezes, de quem nós somos em Cristo Jesus. E quem nós somos? Somos mortos para o pecado, somos filhos de Deus, somos amigos de Cristo, somos novas criaturas. Por que nos esquecemos dessas coisas? Porque não estamos apegados a Deus, nem ao seu Filho Jesus Cristo, nem as Escrituras, nem a oração!

Se você se perguntar agora: “Qual a importância do Senhor no meio da multidão de coisas que eu faço?” Não somos diferentes daquele povo de Israel. Nós somos facilmente influenciados por nossos amigos e colegas. Começamos a crer nos deuses deles. No dinheiro, na mentira, na fofoca, na mania de grandeza, no desamor, no não reconhecimento dos nossos erros e muito mais. Esquecemos quem Deus é. Esquecemos e não nos importamos com o sangue derramado por nós. Antes de deixar o pecado te dominar, ou antes de desistir da caminhada com Cristo, lembre-se das coisas antigas, lembre-se de quem Deus é e de que não há outro.

Pedro olhou para Jesus e disse: “A quem mais podemos recorrer se só tu tens as palavras de vida eterna!” (Jo 6.68). Não existe técnica de memorização que sirva para nos aproximar de Deus. O Senhor não quer que você apenas decore versículos, ou a Lei de Moisés ou o Sermão do Monte inteiro; ele quer que você viva a Palavra. Sempre relembrando do que já sabe. Sua mente e minha mente são frágeis, por isso nossa função é relembrar e relembrar. Porque você acha que o Salmo primeiro requer meditação de dia e de noite? Será que Deus não nos está indicando a fragilidade de nossa mente? Minha oração é que você clame ao Espírito Santo para trazer a sua mente frágil a lembrança de quem Jesus é e de que não há outro pelo qual podemos ser salvos.

Murilo Morais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *