Predestinação uma benção?

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo.
Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença.
Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade,
para o louvor da sua gloriosa graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado.”
Efésios 1:3-6

Paulo nos introduz a ideia da predestinação e da eleição como uma bênção. Ele não enxergava a predestinação divina em uma luz negativa, como uma injustiça de um Deus tirano. NÃO, pelo contrário, evocava nele um senso de exultação e gratidão. Ela o levava a glorificar ainda a Deus. Paulo sempre remetia a predestinação divina como uma bênção, e não uma maldição. E é realmente uma bênção, isso deveria evocar em nós hoje um senso de profunda gratidão e louvor.
João Calvino que é considerado o principal defensor da doutrina da predestinação, disse que essa doutrina é tão misteriosa que precisa ser tratada com muito cuidado e humildade, porque pode ser facilmente distorcida ao ponto de obscurecer a integridade de Deus. Se abordada de maneira errada, a doutrina pode fazer Deus parecer um tirano que brinca com suas criaturas, que lança os dados, por assim dizer, com respeito à nossa salvação. Distorções desse tipo são muitas, e se você tem dificuldade com esta doutrina, não esta sozinho.
Por outro lado, creio que vale a pena nos empenharmos para compreendê-la, porque, quanto mais sondamos esta doutrina, tanto mais chegamos a ver a magnificência de Deus e a doçura de sua graça e misericórdia.

Se nossa teologia é totalmente Bíblia, devemos sim incluir a doutrina da predestinação, porque a Bíblia apresenta claramente. Não há nada na doutrina da predestinação ensinada por Calvino, que não tenha sido ensinada por Lutero, que não tenha sido ensinada por Agostinho, e acho seguro dizer que não há nada na doutrina da predestinação que não estivesse primeiramente nos ensinos de Paulo.

Em Efésios 1, a predestinação que Paulo se refere está relacionada com à eleição. Predestinação e eleição não são sinônimos, embora estejam intimamente relacionadas. Predestinação tem a ver com os decretos de Deus concernentes a qualquer coisa. Eleição é um tipo especifico de predestinação, que diz respeito a pessoas serem adotadas a família de Deus (salvas).
Paulo continua dizendo: “Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade” Efésios 1:5. Aqui aprendemos por que Deus faz o que faz. O alvo final dos decretos de Deus é a sua própria glória, e as decisões e escolhas que ele faz em seu plano de salvação se baseiam no beneplácito de sua vontade.

Você poderia estar se perguntando “Mas se Deus escolhe um e não outro ele não estaria sendo injusto e tirano?” Paulo diz que a escolha vem do bom prazer da vontade de Deus. O que Deus escolhe está baseado em sua retidão e bondade intimas. Deus não faz uma escolha má ou qualquer escolha má; é por essa razão que Paulo louva a Deus por seu plano de salvação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *