Por que os fariseus não acreditaram em Jesus?

“Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus hipócritas! Pois vocês fecham a porta do Reino do Céu para os outros, mas vocês mesmo não entram, nem deixam que entrem os que estão querendo entrar. ” Mateus 23:13

“Nenhum homem diz “Deus não existe”, a não ser aquele que tem interesse em que ele não exista.” – Santo Agostinho

“O diabo ri às gargalhadas. Fica satisfeitíssimo de nos ver castos, corajosos e controlados desde que, em troca, prepare para nós uma Ditadura do Orgulho.” – C S Lewis 

Se existe uma descrença que me incomoda é a descrença dos fariseus e dos mestres da lei; Pedro e os apóstolos viram os milagres e creram, então por que os fariseus viram e não creram?  É incrível pensar que eles estavam ao lado de Jesus enquanto ele realizava os seus maiores milagres. É incrível notar que esses homens crucificaram Jesus, mesmo após Ele ressuscitar Lázaro e alimentar multidões com alguns pães e peixes. Tome como exemplo a cura que Jesus fez durante um sábado relatado em Marcos 3. Jesus fez um milagre notável na frente daqueles homens, mas o coração deles estava tão duro que eles não conseguiram enxergar a bênção que tinha acontecido bem diante dos seus olhos, além de serem cegos, eram maus, pois após isso esses homens conspiraram para destruir Jesus.

Acredito que o problema dos fariseus não estava na falta de fé, pois as maravilhas aconteciam debaixo de seus narizes. Tampouco estava na falta de conhecimento ou ignorância, uma vez que eles eram conhecidos por “doutores” da lei. A doença que aqueles homens tinham era o orgulho. O problema deles não era a fé, mas a vida moral a qual decidiram viver. Eram homens sedentos por vingança e libertação militar de Israel, portanto, não podiam aceitar que o seu Messias fosse um “simples carpinteiro”. Eles não podiam aceitar que seu Messias estava destinado a morrer, eles não queriam libertação dos pecados, pelo contrário,  queriam glória e poder entre as nações.

Mais incrível que a descrença dos fariseus é a nossa descrença. Parece que a mesma doença que se espalhou há 2000 anos, assola a humanidade hoje, ela se espalha como a peste do Egito. A causa também é a mesma, o orgulho. Não é que as pessoas não veem que o evangelho é verdadeiro, não! Elas simplesmente não querem admitir que ele seja real. Porque, uma vez aceitando Jesus, a mudança de vida tem que acontecer. As segundas núpcias, as drogas nas festinhas, a pornografia na madrugada e outros tantos pecados tem que ser renunciados, e a simples palavra “renuncia” é suficiente para causar ânsia de vomito no homem orgulhoso. A verdade é boa, mas ela dói na carne e os covardes não querem sentir essa dor. O problema é moral, sempre foi moral!

A solução para esse problema moral, que impede o arrependimento e conversão, é destruir a raiz desse mal, ou seja,  é preciso acabar com essa Ditadura do Orgulho que satanás usa para oprimir tantos. Ironicamente, o problema que começou com os fariseus, se resolve na vida de um fariseu, a saber, Saulo. Como o apóstolo dos gentios, precisamos “cair do cavalo” e ter as escamas de nossos olhos retiradas pelo agir do Espírito Santo.

John Piper define Orgulho como uma espécie de incredulidade, falta de fé. Ele acertadamente diz que essa incredulidade é um afastamento de Deus, a fim de buscar satisfação em si mesmo. Portanto, o seu antídoto é o despertar e o fortalecimento da fé na graça. Mas como se dá esse despertar? Crendo, é preciso crer. Mas, como Piper lembra, crer não é meramente concordar com alguns fatos (os fariseus reconheciam a realidade dos milagres); crer é também um desejo por Deus no coração. “O que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede”(João 4:14) . A vida eterna não é dada aqueles que apenas pensam que Jesus é o Filho de Deus. Ela é dada a pessoas que bebem de Jesus como o Filho de Deus. “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente” (João 6:51).

“Fé é vir a Jesus e beber a água e comer a comida, de forma que encontremos nossos corações satisfeitos nele.” John Piper

4 comentários Adicione o seu
  1. Bom dia, eu realmente adorei a reflexão, tanto que gostaria de pedir permissão para compartilhar com meus amigos e irmãos, claro que informando o autor do texto e o link/site onde se encontra! Seria possível?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *