Aniversário: Reflexões Sobre um Dia Quase Especial.

Talvez todos aqueles que leram o título deste post e sabem que hoje é meu aniversário pensem que estou depressivo no dia do meu aniversário, pois o título do mesmo vem nos seguintes termos: “um dia quase especial”. Mas antes de chegarmos a esta conclusão, gostaria de refletir sobre o que vem a ser nosso aniversário e a vida.

Sem cair no extremo negativo dos Testemunhas de Jeová, por não comemorarem o aniversário alegando que os únicos dois eventos na bíblia nos quais aparecem uma comemoração de aniversário, são de reis ímpios, Faraó em Gênesis 40:20 e Herodes em Mateus 14:6, e que nos dois casos há morte de uma pessoa em comemoração do aniversário destes, sendo no caso de Faraó, o Padeiro-Chefe que foi enforcado e, no caso de Herodes, João Batista que foi decapitado. Por isso, pensam os Testemunhas de Jeová, comemorar o aniversário é errado de acordo com a bíblia. Cabe a ressalva de que aqui se está ferindo um princípio de interpretação bíblica, pois, não se deve interpretar textos históricos (onde se relata fatos históricos) e fazer destes mandamentos e ordenanças para as pessoas. Portanto não devemos cair neste extremo negativo de condenar uma comemoração, um tempo de festa ou alegria de alguém que lembra do seu natalício, só pelo fato de haver referências negativas na bíblia.

Todavia, uma pergunta nos chama a atenção diante das impressões dos Testemunhas de Jeová, a saber, por que a bíblia não fala de nenhum outro aniversário, que seja de cristãos e homens piedosos? E é aqui que vem o meu ponto do “dia quase especial”, pois a expressão visa evitar que meu coração me leve a me sentir especial e único em um dia do ano. Logo, a resposta clássica a essa pergunta sobre não haver relatos de aniversários de homens piedosos na bíblia me leva ao entendimento desta verdade, a saber, a bíblia não é sobre cristãos e homens piedosos, a bíblia fala sobre a história da salvação, ela é sobre o evento mais importante e relevante da história humana: que Deus veio resgatar seu povo na pessoa do Filho, Jesus Cristo. Portanto, a vida não é sobre nós, é sobre Deus. Nós somos finitos e temos muitos semelhantes (neste mesmo dia conheço várias outras pessoas que também estão comemorando aniversário), logo, não há razão de se sentir especial, ainda que seja realmente um dia especial, mas, não no sentido de chamar a atenção para nós, mas para ser grato a Deus o doador da vida, no fato de ser um tempo para reflexões de como vai a nossa vida espiritual e de que estamos envelhecendo e que somos finitos. O dia do nosso aniversário vai passar e em menos de 24 horas as pessoas vão se esquecer de nos congratular. Caso não entendamos isso, nos frustraremos por não estarmos com quem queríamos, por não ter tido uma festa ou por não ter sido lembrado por alguém. Lembro por exemplo, que no mês passado, exatamente no mesmo dia, dois grupos diferentes de WhatsApp que participo da família, sendo um do lado da minha família e o outro do lado da família de minha esposa, duas pessoas reclamaram e brigaram com os outros participantes parentes, pelo fato de ter havido um esquecimento nas congratulações da passagem do aniversário da filha (em um caso) e da mãe (no outro caso) delas. O que me chamou a atenção nos dois episódios é que elas “verbalizaram” (escrevendo) o que estavam sentindo no coração contra os seus parentes, raiva e decepção, pois outras pessoas foram parabenizadas no seu aniversário ao longo do ano, enquanto seus familiares próximos foram preteridos, ainda que por simples lapso de memória. No grupo de WhatsApp da igreja a qual pastoreio evito dar os parabéns para exatamente não ser interpretado erroneamente, pois, um dia, é certo que não vou poder parabenizar a todos, então sem querer agir distintamente com aqueles que amo, mesmo involuntariamente, evito tal atitude e procuro parabeniza-los pessoalmente.

Além das reflexões feitas até aqui, gostaria de sumarizar o assunto em três pontos. A primeira delas é que somos finitos. Isso deveria evitar que nos sintamos “especiais” (diferentes dos outros), chamar a atenção demasiada para nosso dia ou nossa causa, pois depois que o dia “especial” passa, tudo volta ao normal, e ainda assim continuamos finitos, porque somos como um sopro, uma relva, um castelo de areia. Ano passado tive o privilégio de ouvir no culto da igreja que pastoreio o Rev. Mike Bullmore que pregou no Salmo 90. Esse é um salmo muito inspirativo sobre o assunto deste post e, na ocasião, ele nos fez lembrar que a vida pode ser dividia em três terços, pois o texto bíblico fala sobre chegar a setenta e oitenta anos, uma expectativa de vida significativa. Se arredondarmos para 75 anos, dividimos a vida em três tempos, o primeiro que vai até 25 anos, o segundo indo até 50 anos e subindo a 75, e mesmo eu que me sinto jovem, já estou vivendo meu segundo tempo, dos três que me estão disponíveis, conforme aprouver a graça de Deus me conceder vida. É Moisés! Realmente “acabam-se os nossos anos como um breve pensamento” (Salmo 90:9b).

A segunda reflexão é que temos um tempo para olharmos para trás. Não para que fiquemos decepcionados, mas para agradecer e se revigorar na graça de Deus em nossa história. Alguns homens entram na crise da meia idade pois, ao olharem para trás, percebem que já não são mais os mesmos fisicamente, já não poderão conquistar como achavam que iriam fazer na fase que era considerada como crescente na vida, agora que estão na meia idade, estão descendo a ladeira, veem que pouco resta para conquistar e já que não conseguiram isto antes, agora as perspectivas são poucas e então, há tristeza. Todavia, como cristãos, devemos olhar para trás, pois o tempo do aniversário é propício para isto, para lembrar de quando éramos pequenos, para lembrar de quantos anos estamos fazendo e do quanto o Senhor tem sido gracioso nos dando o dom da vida. Tempo de lembrarmos do passado a fim de avançarmos com confiança em Deus. Pois tendo passado, temos memória, temos o que comemorar e o que agradecer, e isso me leva para a terceira e última reflexão sobre este tempo quase especial.

A terceira e última reflexão é que é um tempo de aproveitar o Deus da vida. Já que a vida é curta, já que o passado é nosso aliado para lembrarmos do cuidado de Deus, hoje é tempo de refletir porquê estou aqui, então me vem à mente a famigerada primeira pergunta com a resposta do Breve Catecismo de Westminster: Qual o fim principal do homem? Resposta: Glorificar a Deus e gorá-lo para sempre. Portanto, a razão deste reles mortal existir não está na significância que ele encontra nas congratulações de aniversário, não está na suspensão da mente acerca dos problemas que lhe cerca por ocasião de um dia especial do ano, não está também no fato das pessoas dizerem para ele sobre sua importância na vida deles, ainda que estas coisas não sejam ruins em si mesmas e o façam se sentir “especial”, mas não é o seu fim principal. A razão de seu existir, respirar e caminhar é adorar a Deus, mesmo que a vida terrena aponte para um fim triste, ainda que não se tenha tudo que se deseja, pois, o que realmente importa e basta para termos nesta vida é a oportunidade de gozarmos da presença de Deus e isto é tudo que preciso. “Porque a tua graça é melhor do que a vida, assim cumpre-me bendizer-te enquanto eu viver; em teu nome, levanto as mãos” Salmos 63:3-4.

Conclusão

A reflexão aqui vale muito para mim, pois quero sempre lembrar que eu preciso me esvaziar de mim mesmo e glorificar ao único verdadeiro digno de honra, Cristo, o Senhor. Minha transitoriedade, só evidencia cada dia mais a gloriosa eternidade deste Deus glorioso. Os cristãos dos primeiros séculos não comemoravam a data de natalício de seus pares, mas a data do martírio deles, pois entendiam que na morte é que então começava a verdadeira vida. Pensando assim, não pensarei que estou ficando velho, mas que estou caminhando em mais este dia para aquele grande e glorioso dia que serei mais parecido com meu Senhor ressurreto. “Maranata! ora vem Senhor Jesus”.

Um comentário Adicione o seu
  1. Bela reflexão. Que nosso Deus e Pai esteja sempre te conduzindo rumo ao alvo. Combatendo o bom combate guardando a fe. Receberá do justo Juiz vinde bendito ao Reino do meu pai. E que o Senhor Deus te abençoe ricamente cada dia
    @revdaniloalvrs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *