Aborto: Crime Contra Duas Vidas.

Há alguns anos, antes de minha conversão, estava assistindo uma reportagem que mostrava um grupo de mulheres no Uruguai reivindicando a legalização do aborto. Lembro bem que tudo aquilo me chocou de imediato. Eu era novo e nunca tinha lido nada sobre o assunto. No entanto, para mim, a resposta sobre o tema já era evidente: o aborto não era somente um crime contra a vida, mas um crime contra uma vida inocente e desprotegida, ou seja, um crime covarde.  É bem verdade que você, leitor, encontrará argumentos que tentam justificar essa prática (tentarei tratar dos principais rapidamente mais a frente). Bom, existem argumentos para tudo, o que não significa que eles sejam bons ou aceitáveis. Vale lembrar que, no ultimo século, a existência de raças puras (eugenia) era justificada por uma série de argumentos falaciosos que persuadiam as pessoas desinformadas.

Sendo bem sincero, não acredito que o aborto seja uma questão unicamente religiosa, o que não significa que a opinião religiosa não importe! Vivemos em um país laico, mas não ateu. Falando de forma bem simples, isso significa que a opinião religiosa deve ser sim levada em conta, afinal o Brasil é uma democracia em que pessoas que possuem e são regidas por crenças votam e são votadas. O cristão fiel e sua fé vivem em uma relação quase de simbiose, isto é, se um for separado do outro, ambos morrem. Portanto, é insano pedir para que a pessoa deixe sua fé de lado nos assuntos mais importantes, como a decisão pela legalização do aborto ou de outros temas polêmicos.  Nessa perspectiva, não vejo como um cristão pode, em sã consciência, defender a legalização de uma matança de bebes.  No entanto, caso você seja cristão, mas ainda assim tem tendência a defender esse ato, peço que leve em consideração duas coisas:

  • PARA DEUS QUANDO A VIDA SE INICIA?

Veja, para nós cristãos convictos, a vida não é medida em semanas como os abortistas defendem. Para nós e para Deus a vida se inicia na fecundação, isso fica bem claro ao lermos Jeremias 1:5 e Salmos 139:13-14. Bom, a consequência disso é que, se a vida se inicia na fecundação, o aborto viola o mandamento “não matarás” e, portanto, é um grande pecado.

  • NÃO PODEMOS COMPACTUAR COM O ERRO:

Outro ponto importante é que se nós conhecemos que algo é pecado e não lutarmos contra, também cometemos pecado! Tiago 4:17 diz: “Comete pecado a pessoa que sabe fazer o bem, mas não o faz.”

Tudo bem, você disse que o aborto não é uma questão religiosa, mas até agora você só ofereceu argumentos religiosos. E como lidar com as pessoas que não acreditam em Deus? Acredito que há uma única questão que determina se o aborto é aceitável ou não.

O QUE A CIÊNCIA DIZ DO INICIO DA VIDA:

O militante abortista em sua tentativa de defende seu ponto de vista, apela para desumanização do embrião. É bem comum ouvir que o feto é apenas uma bola de sangue, nada mais do que isso. Mas, pelo contrario, o embrião é praticamente uma explosão de vida. Dezoito dias após a concepção, o coração começa a se formar, e três dias depois já começa a bater! Nessa fase da gravidez, a maioria das mulheres ainda nem sabe que está grávida, portanto, a maioria dos abortos ocorre depois dessa fase. Amigos, isso significa que todo aborto interrompe o batimento de um coração, de um coração humano! Depois de 30 dias o bebê já tem um cérebro e com 40 dias ondas cerebrais já podem ser medidas, na oitava para nona semana mãos e pés estão quase prontos, no fim da nona já se podem ver pequenas unhas das mãos e dos pés. Veja, será mesmo que o embrião com 12 semanas é mesmo uma bola de sangue sem vida? A verdade é que, como diz W.L Craig: “Se os ventres tivessem janelas, não haveria abortos”.

Mas talvez um médico ou estudioso da área poderia responder essa pergunta de forma melhor. Então aqui recorro a trechos de dois livros de embriologia para que o assunto fique bem definido, veja o que os livros dizem:

“Zigoto, está célula resulta da fertilização de um ovócito por um espermatozoide e é o início de um ser humano. (…) cada um de nós iniciou a sua vida como uma célula chamada zigoto.”  (K.L Moore.  The developing Human: Clinically Oriented Embryology (2nd Ed.))

“Sempre que um espermatozoide e um ovócito se unem, cria-se um novo ser que está vivo e assim continuará a menos que alguma condição específica o faça morrer.” (E.L Potter M. D. and J.M. Craig, M. D Pathology of the Fectus and the infant, 3rd Edition. Chicago: Year Book Medical Publisher.)

OS ARGUMENTOS A FAVOR DO ABORTO:

Gostaria de terminar comentando um pouco de alguns argumentos, um em especial. A verdade é que alguns argumentos já deveriam ser deixados de fora de antemão, como aquele que diz que o aborto deve ser legalizado, pois provavelmente a criança que nascer se tornará um bandido ou não terá uma vida decente. É bizarro ver como algumas pessoas instruídas conseguem defender essa falácia determinista, como se o determinismo já não tivesse causado tanto mal para a humanidade, a titulo de exemplo, o nazismo de Hitler era determinista. Entenda, não há como definir o que acontecerá com uma pessoa durante sua vida, independentemente do lugar que ela nascer. Não é sensato supor se a pessoa será ou não feliz antes mesmo de seu nascimento, como se a morte fosse algo melhor que a oportunidade de vida.

O argumento que quero tratar se refere à vida da mulher que está grávida. Fico sempre com a impressão ao ler e assistir debates sobre esse tema que a opinião se divide em duas: Aqueles que defendem a vida do bebe e aqueles que defendem a vida da mulher. Mas não é assim! Nós cristãos defendemos a vida de ambos! Amigo (a), o aborto é um atentado contra duas vidas, não somente uma. O Projeto Raquel, entidade que auxilia a mulheres que fizeram o aborto a superar o trauma espiritual e psicológico, afirma que 10% dessas mulheres apresentam graves problemas psiquiátricos e 40% sofrem com problemas psicológicos relacionados ao aborto. Por que isso? Por que o aborto deixa essas marcas nas mulheres? A resposta é óbvia e pode ser dada por qualquer mulher que já deu a luz: existe sim uma vida que pulsa dentro do útero e a mulher que escolhe matar essa vida sabe exatamente disso. Enfim, não devemos incentivar o aborto, mas acolher essas mulheres e oferecer a elas a ajuda necessária, tanto para aquelas que já fizeram esse ato como para aquelas que cogitam fazer. Lembre-se que como cristãos nossa missão é amar e levar o perdão de Deus para todos aqueles que estão necessitados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *